sábado, 12 de agosto de 2017

Trabalho em espaços confinados- riscos químicos




Como decerto saberão, existe o regulamento CRE já instituído há algum tempo. Se quiserem fazer um refresh sobre este assunto podem ver o artigo Regulamentação CRE - resumo.

Quanto aos riscos químicos, as vias de entrada no organismo poderão dar-se por inalação, digestão e contacto com a pele. Existem também agentes que provocam a destruição de tecidos vivos, outros são tóxicos, irritantes, cancerígenos etc.

As intoxicações podem ser agudas (grande concentração do agente/exposição de curta duração) ou crónicas (concentração baixa do agente/exposição longa duração).

Bom, mas estamos aqui para falar dos riscos químicos, especificamente para o trabalho em espaços confinados, logo a pergunta que se impõe :

Como é possível prever riscos químicos numa intervenção em espaços confinados ?

Aqui vão alguns exemplos:
  • Resíduo de produto químico nas paredes e no solo ;
  • Gases de produtos residuais ;
  • Fugas (sobretudo se temos tubagens/cisternas/válvulas/junções etc)
  • Derrame intempestivo de produtos ;
  • Deconsignações eléctricas, chegada de fluidos ;
  • Aberturas de válvulas ;
  • Camadas de gases a alturas diferentes ;
  • Preenchimento de um espaço pelos produtos;
  • Subida de gás pelos equipamentos ligados à instalação.
Depois as consequências dependerão, obviamente, do tipo de agente químico. Daí ser extremamente importante :
  • tomar conhecimento dos produtos que ocuparam os reservatórios;
  • conhecer fichas de dados de segurança dos mesmos;
  • conhecer os tipos de gases que se poderão formar e em que condições (p.e. temperaturas altas).

Bom, depois de consolidar esta parte, falaremos mais sobre o assunto em breve.

Até à próxima!


Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...